segunda-feira, 5 de março de 2012

Maísa

De vez em quando eu me pego fazendo reflexões profundas sobre a vida e tudo à minha volta, mas isso passa e eu logo ligo a TV. Como não tenho o "cabo" no aparelho do meu quarto, acabo vendo os canais abertos, sei que soa prepotente falar algo como "é, vou ter que me virar com TV aberta" até porque não conheço muita gente que adoraria ver o Programa do Raul Gil ao invés de Keeping Up with the Kardashains... Ok, conheço sim.

Mas viajando por essa infinidade de canais (uns 5 se for contar o CBN), eu acabo me encontrando por ver aquele que já se diz o padrão, o Sistema Brasileiro de Televisão. Bom, como todos sabem, o SBT é o brinquedinho do Sílvio Santos, e não vá julgar brinquedinho como o modo que falam que a televisão é algo manipulador e todas essas conspirações, mas sim, o SBT é o passatempo de Senor Abravanel.

Senor Abravanel, nome o qual eu achava que Senor era um modo classudo de se referir à ele como Senhor.

Mas a questão do texto se volta à pequena Maísa, a menina cheia de manha. Não sei porque me intriga tanto, uma menina que é tão fofinha (não há como discordar, apesar de vários tentarem), carismática, e de certa forma, talentosa, sim. Apesar de tantas críticas é indiscutível que ela tem o seu brilho próprio. Eu não vim aqui criticar a forma como o entretenimento vem forçando a barra fazendo com que as crianças cresçam num universo diferente nem nada do tipo.

Minha pergunta é muito mais simples e eu realmente queria que me respondessem:

Por quê parece que a cada dia que passa a Maísa fica cada vez mais parecida com o Sílvio Santos?

Só queria tentar entender...